Formação de juízes e cultura da paz é tema de palestra na Ambra

A terceira palestra do “Mês da Solução de Conflitos da Ambra” contou com o palestrante Fernando Hoffmann e a debatedora Camila Leal levantando o tema “Formação de juízes de cultura da paz“.

Em sua palestra, Fernando Hoffman explica que nem tudo é mediável e que não acredita que todos os juízes do trabalho podem e devem se interessar por mediação e conciliação. “Eu não sou daqueles que quero sair convertendo todos os juízes do trabalho […] Nós temos que entender que nem todos os juízes do trabalho gostam, querem ou acham que a mediação e a conciliação são as portas mais adequadas para a resolução de processos e conflitos”.

O palestrante ainda comenta em sua fala que os métodos de resolução de conflitos nem sempre são bem recebidos. “Existe uma certa resistência à mediação, à conciliação, à política judiciária nacional de tratamento adequado na própria justiça do trabalho. […]. Eu diria que há uma resistência na justiça do trabalho porque ela faz parte de uma cultura que a gente vive […]. Nós vivemos a cultura do litígio no Brasil e nessa área trabalhista não é diferente.”

“Quando nós pensamos em cultura, temos que pensar em mudança de mentalidade e para mudar a mentalidade nós temos que afastar os nossos vieses.”, diz Fernando. Confira toda a reflexão sobre o tema no vídeo:

Fernando Hoffmann é juiz do trabalho do TRT da 9ª Região, juiz supervisor do Primeiro Núcleo de Justiça 4.0 do TRT do Paraná e especialista em Direito e Processo do Trabalho – Faculdade de Direito pela Universidade da Coimbra. É ainda Mestre em Direito das Relações Sociais pela UFPR e em Resolução de Disputas pela Pepperdine University School of Law.

Camila Leal é juíza do trabalho do TRT da 1ª Região, mediadora judicial e integrante do NUPEMEC/RJ. Além disos, é também especialista em Direito e Processo do Trabalho pela UERJ, em Neurociência e Comportamento pela PUC/RS e mestranda em Solução de Conflitos na Ambra University.

Outros eventos da Ambra University você encontra aqui.

Previous articlePalestra “Solução de conflitos coletivos”
Next article“Mês da Solução de Conflitos” continua com a palestra “Mediação Judicial”